Mais Recentes:

Interstellar - Avaliação!

Em julho/agosto fui ao cinema (provavelmente para assistir Guardiões da Galáxia) eu avistei um pôster bem simples, mas ao mesmo tempo que chamava bastante a atenção. Nele eu podia ver uma casa simples de madeira, uma caminhonete e duas pessoas aparentemente de mãos dadas. Uma nebulosa parecia ligar esta fazenda ao universo e nesta nebulosa estava escrito "Interstellar", logo percebi que se tratava de um filme de Chritopher Nolan e que se tratava do primeiro filme que Nolan fazia desde a trilogia "Batman" encerrada em 2012. Pensei naquele momento "Este filme com certeza será incrível, tenho que assistir!"


Alguns meses se passaram e a minha expectativa somente aumentou para assistir o filme que seria "o retorno" de Nolan aos cinemas. Eu esperava um bom filme já que o retrospecto de Nolan nos faz sempre esperar algo bom. Desta vez não foi diferente, Nolan repete suas direções passadas e faz um filme simplesmente fantástico. Matthew McConaughey também mantém o alto nível e tem uma atuação impecável, outra que "não deixa a peteca cair" é Anne Hathaway que tem uma atuação brilhante. Interstellar em alguns momentos acaba parecendo um "Inception" (A Origem) que se passa no espaço, algumas cenas são extremamente semelhantes e a complexidade também nos faz lembrar do filme protagonizado por Leonardo DiCaprio.


Apesar de complexo o filme não é tão difícil de se entender como foi "A Origem", Nolan concerta aquele que em minha opinião foi o único erro cometido por ele em "A Origem" que é a complicação excessiva (um exemplo disso é o peão ao final do filme). Em Interstellar Nolan resolve ser menos complexo do que de costume e faz um filme com fim (A Origem não tinha). A trilha sonora é o ponto forte do filme em minha opinião, capaz de nos entusiasmar, nos amedrontar e de nos emocionar. Os planos usados para retratar as imagens do espaço também são favoráveis, a nave fica em evidência na maioria das vezes e o horizonte ganha a imagem espacial (que por sinal é extremamente real e linda).


O que Nolan "copia" de "A Origem" que acaba por nos confundir um pouco é o jogo com o tempo e espaço, no mundo dos sonhos o tempo é diferente do tempo do mundo real segundo Nolan e segundo o mesmo Nolan o tempo em alguns planetas passa mais devagar, onde aproximadamente 45 minutos equivalem a quase 24 anos terrestres. Esse jogo com o espaço/tempo acaba confundindo as pessoas, mas o filme de certa forma é autoexplicativo, ou seja, com o passar do tempo o fio condutor de lógica do mesmo é desenrolado e exposto para nós. O que me surpreendeu foi a viagem temporal que ocorre no filme, ao mesmo tempo confusa e genial, vimos uma espécie de mini versão melhorada (e muito) de "Efeito Borboleta". A catarse vem ao final do filme com a trilha sonora novamente embalando um cena fantástica protagonizada por Matthew McConaughey e Anne Hathaway.


Depois de assistir a um filme como este tudo o que me resta dizer é: Parabéns Christopher Nolan
!
Nota: 8,0 (Ótimo)

Por: Gustavo Lopes
Share on Google Plus